Tempero brasileiro

0
Luis Antonio Gambim
Luis Antonio Gambim
Luis Antonio Gambim, diretor Comercial da DAF.

Quase dois meses após a posse, a DAF apresentou seu primeiro diretor brasileiro. Luis Antonio Gambim, ex-Volvo fábrica e Grupo Auto Sueco, de longa carreira no setor, assumiu a diretoria executiva Comercial da montadora para agregar o componente do tempero brasileiro (conhecimento do mercado) na receita DAF e já começou mostrando resultados, dobrando o market share ainda tímido da marca holandesa. Em ofensiva de aproximação com a rede e clientes, saltou de menos de 1% para 2,17% apenas fazendo escoar o pequeno estoque existente. Com a produção até agora de apenas duas unidades/dia, a DAF pretende fechar o ano dobrando esse número (4/dia) e beliscando 3,5% do segmento competitivo de pesados. Falando em pesados, Gambim contratou, como consultores, os experientes Antonio Carlos Miranda e Claudio Gagliano, executivos de venda bastante conhecidos no mercado, para explorar sua experiência e relacionamento.

Isso já faz parte dos novos planos de reformulação da área comercial. A própria rede, hoje com vinte casas atuantes, terá vinte e cinco até o final do ano. Para continuar atraindo interessados, Gambim ganhou poderes para mudar algumas posturas que desagradavam os concessionários. Agora, por exemplo, já é possível praticar valores e critérios de negociação mais compatíveis, até mesmo afetando as margens da montadora. A nova prioridade é aumentar a frota circulante, amparando a rede, que vem sendo estimulada a atender veículos de outras marcas para aumentar a rentabilidade. Dessa forma, combate-se o argumento de que a fábrica seria irredutível em suas posturas.

Para Gambim, o número mágico de viabilidade de um negócio de caminhões pesados é de 100 unidades/mês. Para que a planta possa receber unidades de produção de cabines e motores, o buraco é mais em cima. Esses módulos só serão colocados em atividade quando as vendas anuais atingirem 5.000 caminhões. Os produtos atuais já podem contar com 100% do Finame e as próximas novidades, como a série CF, já vão chegar com essa qualificação.

O portfólio brasileiro DAF vai crescer. Na Fenatran, onde a montadora vai ocupar espeço nobre bem no centro do pavilhão, serão formalizadas as chegadas de produtos já anunciados, caso da cabine Super Space na linha XF e os cavalos mecânicos CF de 360 e 410 cv, nas opções de cabine daycab, sleeper e Space, nas trações 4×2 e 6×2. Nada de CF sobre chassi, por enquanto. A linha completa pode levar até 10 anos, mas virá. Por sinal, Gambim adiantou alguns desenvolvimentos que vão caminhando na engenharia DAF, caso de um FTT com redução no cubo, para 2017, um veículo para atender o segmento da cana, um cavalo XF 8×2 e suspensão a ar. Tudo a seu tempo.