Licença ambiental altera Ferrovia Norte Sul

42
O traçado original comprometeria a qualidade ambiental do rio e a biodiversidade

Da redação

A Licença de Instalação (LI) n° 1152/2017, que autoriza a as obras da Extensão Sul da Ferrovia Norte Sul, de Ouro Verde de Goiás (GO) a Estrela D’Oeste (SP), apresenta alterações significativas em relação ao projeto proposto no Estudo de Impacto Ambiental (EIA). Os ajustes foram necessários para assegurar que o empreendimento não afetasse o Córrego dos Coqueiros, afluente do Rio São Tomás que abastece o município de Santa Helena de Goiás.

Com a alteração, as instalações destinadas ao armazenamento de grãos e farelos foram deslocadas cerca de 136 metros em relação à localização sugerida no projeto inicial, saindo do entorno do Córrego dos Coqueiros e de sua Área de Preservação Permanente (APP).

O traçado original comprometeria a qualidade ambiental do rio e a biodiversidade, em razão da suspensão de partículas, levadas naturalmente pela ação do vento. Além dos impactos causados à qualidade do ar, a operação do empreendimento resultaria no depósito de resíduos na água.

O Ibama também determinou investimento imediato na recomposição arbórea da APP do Córrego dos Coqueiros, que funcionará como barreira natural para as partículas dispersadas pelo carregamento dos vagões. A APP será formada por espécies não frutíferas para evitar a atração de ratos e outros animais comuns em centros urbanos, geralmente atraídos por depósitos de grãos.

Outro impacto previsto são os ruídos causados por operações de carga e descarga, movimentação de vagões e uso de máquinas e veículos. A alteração locacional proposta pelo empreendedor foi aceita com o estabelecimento de condicionantes, como a inclusão de novos pontos de monitoramento de ruídos e a elaboração de um projeto para evitar a dispersão de partículas de grãos e farelos na operação do pátio.

O trecho sul da ferrovia atravessa uma das principais regiões do agronegócio no país.