Brasil pode desenvolver ´trem` supersônico

45
Trajeto SP-RJ poderá ser feito em menos de 30 minutos, viajando a 1.200 km/h dentro de uma cápsula

Da redação

Imagine fazer o trajeto SP-RJ em menos de 30 minutos, viajando a 1.200 km/h dentro de uma cápsula. O futuro está mais próximo do que pensamos”, revela Guto Ferreira, Presidente da ABDI, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.

O Hyperloop, sistema de transporte ultrarrápido de cargas e passageiros é atualmente o projeto de mobilidade para médias e longas distâncias mais arrojado do mundo. Através de um tubo de baixa pressão, uma cápsula semelhante a um trem-bala levita através de magnetismo, reduzindo o atrito a quase zero.

“O futuro está mais próximo do que pensamos”, revela Guto Ferreira, Presidente da ABDI

Através de propulsão inicial elétrica de baixo consumo alimentado por painéis solares, o Hyperloop pode alcançar velocidade de até 1.200 km/h, o que reduziria grandemente o tempo de qualquer trajeto hoje feito por carros, caminhões, barcos, trens e aviões. Os idealizadores do projeto, Elon Musk, CEO da Tesla, montadora de carros elétricos mais inovadora e valiosa dos EUA e Bipop Gresta, Co-Fundador da Hyperloop Transportation Technologies (HTT).

O executivo Bipbop Gresta esteve no Brasil para participar de uma reunião com o Presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, Guto Ferreira. A ABDI, única agência de inteligência do governo federal para o setor produtivo será responsável por elaborar uma agenda de trabalho conjunta para a criação do primeiro centro de P&D para desenvolvimento do Hyperloop no país. “Vemos a ABDI como um parceiro estratégico no Brasil”, afirma Gresta. Até o momento, apenas oito países assinaram acordo para receberem um centro de estudos e tecnologia do projeto.

Apesar da altíssima tecnologia, o valor da passagem será muito inferior a de um trem convencional, por exemplo, em função da capacidade de transporte em massa e reduzido custo operacional. “Imagine fazer o trajeto SP-RJ em menos de 30 minutos, viajando a 1.200 km/h dentro de uma cápsula. O futuro está mais próximo do que pensamos. A ABDI considera fundamental para o Brasil encampar esse projeto, que pode revolucionar o transporte de cargas e também de passageiros”, revela Guto Ferreira, Presidente da ABDI.