Destaque Eustaquio Sirolli

A China e seu “astroeconômico” mercado de veículos

Beijing

por Eustáquio Sirolli

O mundo automotivo pode ser dividido entre antes da China e após sua inclusão efetiva nesse contexto tecnológico e econômico, ou seja, a escala de produção mudou de patamar, para um nível de milhões a mais no contexto mundial. A empresa produtora de veículos que não tem parcerias com os chineses está fora da primeira divisão, restando a estes excluídos as migalhas dos volumes de mercado. Esta primeira análise fundamenta-se nos dados recém obtidos da CAAM – China Association of Automobile Manufactures – entidade chinesa equivalente à ANFAVEA brasileira.

Eustáquio Sirolli, gerente de Desenvolvimento de Produto na Foton Caminhões.

Eustáquio Sirolli, gerente de Desenvolvimento de Produto na Foton Caminhões.

Tenho acompanhado o mercado chinês desde o ano 2000, quando para lá fui a trabalho pela primeira vez e retornei em 2011, agora já vendo outra China. E pelos laços estreitos com os colaboradores da Foton, empresa chinesa focada em caminhões, as informações são atualizadas de forma praticamente sistemática.

Indo para os números de vendas de veículos em 2017 na China, o mercado de veículos, considerando carros, caminhões e ônibus atingiu o estratosférico volume de 28.879.000 unidades, com crescimento de 3,0% em relação ao ano anterior. No Brasil atingiram-se 2.239.683 unidades, ou seja, 7,75% do mercado chinês. Isso quer dizer que, em menos de um mês se produz na China o equivalente ao mercado brasileiro.

Automóveis

No mercado de carros aconteceu o seguinte cenário, com vendas de 24.718.000 unidades, e crescimento de 1,4% em relação ao ano anterior. No Brasil vendemos 2.175.986 unidades de veículos de passeio, sendo 8,8% do mercado chinês.

SUV´s cresceram 13,3%, segmento que também é expressivo no Brasil. Sedans diminuíram 2,5%. O dado não está bem claro no artigo chinês, mas conclui-se assim.  MPV’s diminuíram 17,1%, mercado também não relevante no Brasil. Crossovers diminuíram 20,0% e, assim como no Brasil, devem ser veículos com custo/benefício não sedutores. Os SUV’s devem estar atendendo esse estilo, embora não sua função.

Carros com motorização menor ou igual a 1,6 l atingiram 17.193.000 de unidades, queda de 1,1% em relação ao ano anterior, sendo que as marcas chinesas venderam 8.374.000 unidades, queda de 0,4% em relação ao ano anterior, correspondendo a 49,0% do total desse segmento. Vendas só de carros chineses atingiram um volume de 10.847.000 unidades, com um crescimento de 3,0% em relação ao ano anterior, volume que é 43,9% do mercado total. Cabe aqui um desdobramento. Assumindo 2.354.000 unidades como sendo sedans, o crescimento foi de 0,6% em relação ao ano anterior, e com representatividade de 19,5% do mercado de carros chineses.

SUV’s atingiram 6.217.000 unidades, crescendo 18,0% em relação ao ano anterior, e com representatividade de 60,6% do mesmo mercado. Essa tendência de crescimento do SUV parece ter o mesmo efeito no Brasil, com a oferta de carros desejados. E os MPV’s foram a 1.728.000 unidades, com queda de 22,8% em relação ao ano anterior.

Vale destacar o volume de vendas de NEV-New Energy Vehicles-, que atingiram um total de 777.000 unidades, com expressivo crescimento de 53,3% em relação ao ano anterior. No Brasil foram vendidos 3.296 veículos desse segmento, ou 0,42% do mercado chinês.

Sendo BEV-veículos a bateria-, 468.000 unidades, crescimento de 82,1% em relação ao ano anterior. Os PHEV-plug-in, híbridos-, 111.000 unidades, crescimento de 39,4% em relação ao ano anterior. Comerciais BEV, 198.000 unidades, crescimento de 16,3% em relação ao ano anterior. Comerciais PHEV, 14.000 unidades, crescimento de 26.6% em relação ao ano anterior. Nesse segmento de NEV’s os chineses estão mundialmente bem adiantados. Vale destacar no Brasil as atividades da BYD, em caminhões e ônibus, mas trata-se de uma empresa chinesa.

Focando os top10 produtores de veículos na China, que venderam um total de 25.562.000 unidades, representando um crescimento de 3,2% em relação ao ano anterior, totaliza-se 88,5% do mercado. Cheguei a identificar 61 marcas, ou seja, para essas 51 restantes sobraram as “migalhas”, 3.300.000 unidades, mostrando claramente que num futuro não distante deverá ocorrer um take-over dessas menores pelas gigantes, como ocorre no universo, em que as maiores galáxias engolem as menores.

Veículos comerciais

No mercado de comerciais, caminhões e ônibus, os números impressionam, e mais ainda se comparamos com o mercado brasileiro. Vendas totais de veículos comerciais: 4.160.000 unidades, crescimento de 14,0% em relação ao ano anterior. Simplesmente números impensáveis em qualquer outro país. Talvez um dia a Índia chegue perto. No Brasil foram vendidas 63.696 unidades de ônibus e caminhões, representando 1,53% do mercado chinês.

Desse total, ônibus representam 527.000 unidades, crescimento de 3,0% em relação ao ano anterior! No Brasil foram vendidos 11.755 ônibus, ou seja, 2,23% do mercado chinês. Em caminhões os números impressionam ainda mais, com vendas que totalizaram 3.633.000 unidades, crescimento de 16,6% em relação ao ano anterior. Incrível a dinâmica desse mercado/segmento. No Brasil foram vendidos 51.941 caminhões, ou seja, 1,43% do mercado chinês.

Agora vem a grande surpresa, no segmento de caminhões pesados, que na China começa com 14,0 ton de PBT, atingindo o volume de 1.117.000 unidades. No Brasil, para fazer equivalência de segmentação, adicionou-se o volume do segmento de semipesados (13.542 unidades) ao de pesados (18.747 unidades) para totalizar 32.289 caminhões, ou seja, 2,9% do mercado chinês. Isso representa 10 dias úteis de produção na China para atender o Brasil.

Concluindo, a alta demanda do mercado chinês por veículos em geral cria uma escala produtiva que viabiliza os investimentos e suas amortizações. Com isso, volto à introdução desse artigo: quem não está com a China não está participando desse campeonato automotivo na 1ª liga, e será engolido por alguma das empresas/grupos chineses, é esperar e ver acontecer.

Fontes: CAAM – China Association of Automobile Manufacturers

ANFAVEA – Assoc. Nacional dos Fabr. de Veículo Automotores

*Autor: Eustáquio Sirolli, engenheiro mecânico automobilístico/produção, mestrando em Materiais IPEN/USP, MBA em Negócios Automotivos FGV; atuante no setor automotivo há mais de 40 anos, em empresa alemã montadora de caminhões e ônibus, atualmente na Foton Aumark do Brasil, responsável pela nacionalização dos produtos da Foton da China e atuando como Gerente de Marketing do Produto.  

Related Posts